Brasil

[Brasil][bsummary]

Mundo

[Mundo][bigposts]

Política

[Política][twocolumns]

Túnel de Taguatinga: GDF investe em tecnologia e técnica sustentável

Obra está na fase de construção das paredes. Governo utiliza substância biodegradável para estabilizar o solo e equipamento de última geração

Na fase de construção das paredes, os profissionais utilizam, para a escavação, polímeros (macromoléculas formadas por unidades estruturais menores, os monômeros, que são moléculas de baixa massa molecular), que dão suporte à estabilização do solo – o que evita desmoronamento.

Quem passa pela grandiosa obra do túnel de Taguatinga não imagina o que as 1,7 mil pessoas empregadas – direta e indiretamente – fazem para que a estrutura seja erguida. Além de aço, concreto, máquinas e operários, o Governo do Distrito Federal investe em tecnologia e técnica sustentável, com o uso de materiais que não agridem o meio ambiente e são recicláveis. No total, são investidos R$ 275 milhões, recursos oriundos de contrato de financiamento firmado pelo GDF com a Caixa Econômica Federal.

“O produto é biodegradável, ou seja, não contamina o solo”, ressalta o secretário de Obras e Infraestrutura, Luciano Carvalho. “Uma das principais preocupações do governo local é preservar o meio ambiente”.

O produto é armazenado em 13 tonéis com capacidade de 28 a 33 metros cúbicos. Segundo a engenheira Alinne Pires, que atua na fiscalização da obra, os grandes barris têm outra função, além de estocar a substância. “São o local onde o produto é preparado”, explica. “Quando chega à consistência adequada – parecida com a da água –, retiramos para utilizar na obra. Depois do procedimento, tiramos para ser aproveitado nas escavações”.

Também são utilizados seis guindastes modernos para o processo de escavação, que atinge de sete a 20 metros de profundidade. Ágeis, os equipamentos têm 22 metros de altura, enquanto os mais antigos – da década de 1990 – têm 18 metros. “Não é normal para a realidade das obras de Brasília ter esse tipo de tecnologia”, valoriza Luciano Carvalho. “Estamos usando as ferramentas adequadas para uma obra desse porte”.

Fonte: Agência Brasília

Nenhum comentário:

Postar um comentário